História do Legislativo

História da Emancipação do Município e instalação do Legislativo Várzea-grandense

A década de quarenta foi à fase decisiva para o encaminhamento de Várzea Grande rumo ao progresso. Nem os cinco anos da 2ª Guerra, nem os anos restantes da ditadura foram obstáculos para o crescimento do 3º distrito cuiabano, cujo desenvolvimento já não recebia a fiscalização e o controle da Prefeitura da Cidade Verde, a qual, diga-se de passagem, muito pouco se interessava por Várzea Grande. Tanto isso é fato, pois tudo que foi realizado na pequena vila durante o período que foi distrito de Cuiabá, foi feito pelo Estado e nunca pelo Executivo Municipal cuiabano. 

Várzea Grande cresceu pelo empenho de seu povo altivo e trabalhador, pois naquela altura, ainda não contava com ninguém capaz de representá-la , mas mesmo assim dava os primeiros passos para sua independência. 

A década de quarenta foi muito importante para o desenvolvimento do distrito, pois surgem os primeiros rebentos do solo varzeano com diplomas de escolas superiores. 

Primeira ponte 

Em 1942, graças à supervisão do interventor Júlio Muller, inaugura-se a primeira ponte sobre o rio Cuiabá e o Várzea-grandense, liberado da incômoda balsa, aumenta o seu comércio com a capital, fornecendo produtos de primeira necessidade como carne, leite, galináceos, suínos e seus derivados, lenha, carvão, chinelos, material de construção e grande quantidade de cereais, que eram transportados por dezenas de carroças-mascates e auxiliando assim o suprimento do mercado cuiabano. Os pescadores de Várzea Grande, em todos os tempos foram grandes abastecedores do mercado cuiabano.

 

Para os varzeanos não importava a guerra lá na Europa, interessava apenas mais escolas e pontes. Em 1945, no final do governo de Júlio Muller que o próspero distrito recebe a tão sonhada iluminação pública. Era também o fim da ditadura e da II grande guerra. A liberdade que ressurgiu para os povos humilhados por Hitler, foi acompanhada juntamente com a libertação da democracia no Brasil.

E o Várzea-grandense respirou feliz, antevendo a possibilidade de adquirir a autonomia da área reservada ao 3º distrito cuiabano, e com a constituinte de 1947, a sub-divisão política do Estado tornou-se necessária, a fim de acomodar determinadas regiões mato-grossenses, cuja população e riqueza tinham crescido durante os 15 anos da ditadura. 

Emancipação

Em 1947, Licínio Monteiro da Silva foi eleito deputado estadual e com ele, apoiado pela U.D.N., sob o comando de Gonçalo Botelho, foi eleito o Dr. Benedito Vaz de Figueiredo, outro constituinte de 1947. 

Várzea Grande foi incluída entre as prioridades e a 23 de setembro de 1948 conseguiu sua independência, com a promulgação da lei nº 126, foi realizado o sonho de todo o povo Várzea-grandense de ver um dia, sua terra transformada em cidade, apesar da relutância de alguns cuiabanos. 

Para a formação do novo município, além das terras do antigo 3º distrito cuiabano, foi incorporado uma área livramentense, somando cerca de 600 Kms2. Cinco anos mais tarde foi anexada também a Várzea Grande a área do distrito de Passagem da Conceição, totalizando assim 682 Kms2. 

Era governador de Mato Grosso o engenheiro Arnaldo de Figueiredo, que nomeou o Várzea-grandense Major Gonçalo Romão de Figueiredo para exercer o cargo de prefeito do mais novo município, até que se realizassem eleições.                

Instalação da Câmara Municipal 

No dia 25 de julho de 1949, foi instalada a Câmara Municipal do novo município, com seus cinco primeiros vereadores eleitos: Benedito Gomes da Silva, Manoel Santana do Nascimento, João Nepomuceno de Magalhães, Júlio Domingos de Campos e Generoso Tavares, escolhidos nas eleições de 29 de maio daquele ano. Foi seu primeiro presidente o vereador Benedito Gomes da Silva, que em sessão extraordinária do dia 27 de maio, deu posse ao prefeito eleito, Miguel Leite da Costa, que governou o município até o dia 31 de outubro do mesmo ano. Miguel Leite da Costa governou o município por apenas cinco meses e quatro dias, pois após uma recontagem de votos a Justiça Eleitoral declarava prefeito eleito o senhor Gonçalo Botelho de Campos, que também disputara as eleições e foi declarado derrotado por uma contagem mínima de votos. 

Em uma segunda ocasião, uma decisão judicial resultou a eleição do vereador Estêvam Ferreira de Magalhães, ficando assim sem efeito a eleição de Generoso Tavares da Silva. 

Fazemos este relato para evidenciar fatos que fazem parte da história que culminou com a instalação efetiva no atual Palácio Benedito Gomes da Silva em dezembro de 1.992. 

Inicialmente, sediada em diminuta instalação à avenida Couto Magalhães, as reuniões aconteciam em lugares modestos, tudo em consonância com a vida  cotidiana dos munícipes, daquela época. Por várias vezes houve necessidade de  mudanças, pois até então os recursos eram insuficientes para a aquisição de sede própria. 

A industrialização e o processo caminham juntos; a receita aumenta e o “Projeto da Casa Própria”, sonhado por muitos, vai aos poucos se tornando realidade, concretizando-se na 11ª Legislatura. 

A realidade exige agilidade em todos os setores e para isso é necessário se preparar para enfrentar a modernidade. 

Novos tempos, novas realidades e novas necessidades hão de surgir e como sempre a Câmara Municipal estará na Vanguarda dos acontecimentos. 

1ª LEGISLATURA – 1949/1953 

Ver. Benedito Gomes da Silva - Presidente 

Ver. Manoel Santana do Nascimento – Presidente 

Ver. Estevam Ferreira da Cunha – Presidente 

VEREADORES 

Benedito Gomes da Silva 

Estevam Ferreira da Cunha 

Generoso Tavares da Silva 

João Neponuceno de Campos 

Júlio Domingos de Campos 

Manoel Santana do Nascimento


2ª LEGISLATURA – 1953/1957 

Ver. Abelardo Ribeiro Azevedo – Presidente 

Ver. Rubens dos Santos – Presidente 

Ver. Herócleto Leôncio Monteiro – Presidente 

Ver. Napoleão José da Costa – Presidente 

VEREADORES 

Abelardo Ribeiro Azevedo 

Herócleto Leôncio Monteiro 

Joaquim da Cruz Coelho 

Napoleão José da Costa 

Rubens dos Santos 

 

3ª LEGISLATURA – 1957/1961

Ver. Manoel João de Arruda – Presidente 

VEREADORES 

Estevam Ferreira da Cunha 

José Maria da Costa Campos 

Luírico Ferreira de Magalhães 

Manoel João de Arruda 

Sarita Baracat de Arruda


4ª LEGISLATURA – 1961/1964 

Ver. Gonçalo Domingos de Campos – Presidente 

Ver. Moacir Pinto de Magalhães – Presidente 

Ver. Afonso de Assunção – Presidente 

Ver. Rubens dos Santos – Presidente 

VEREADOR 

Afonso de Assunção 

Abdalla José de Almeida 

Gonçalo Domingos de Campos 

José Maria da Costa Campos 

Moacir Pinto de Magalhães 

Rubens dos Santos 

Saturnino Marques de Oliveira

 

5ª LEGISLATURA – 1964/1967 

Ver. Oldemar Pereira – Presidente 

Ver. Luizinho Pedro de Lima – Presidente 

Ver. Zeno de Oliveira – Presidente 

Ver. Benedito Sebastião da Silva – Presidente 

VEREADORES 

Benedito José da Silva 

Benedito Sebastião da Silva 

Darcy Lourenço da Silva 

Luizinho Pedro de Lima

Natalino Garcia 

Oldemar Pereira 

Rubens dos Santos 

Zeno de Oliveira

 6ª LEGISLATURA – 1967/1970 

Ver. Ídio Nemézio de Barros – Presidente 

Ver. Elísio Moreira da Costa – Presidente 

VEREADORES 

Benedito Sebastião da Silva 

Carlos Vieira de Almeida 

Elísio Moreira da Costa 

Ídio Nemézio de Barros 

José Crisóstenos do Prado 

Jonas Pereira de Souza 

Luizinho Pedro de Lima 

Natalino Garcia 

Vicente Leite de Barros

 

7ª LEGISLATURA – 1970/1973 

Ver. Afrânio Monteiro da Silva – Presidente 

Ver. Natalino Garcia – Presidente 

VEREADORES 

Afrânio Monteiro da Silva 

Acácio Antônio da Silva 

Jorge Witczak 

Jorge Mendes Filho “Joãozito” 

Lenil Nobre de Miranda 

Natalino Garcia 

Roberto Santana do Espírito Santo

 

8ª LEGISLATURA – 1974/1977 

Ver. Zeno de Oliveira – Presidente

 Ver. Natalino Garcia – Presidente 

Verª. Neuza Ribeiro M. da Silva – Presidente 

Ver. Emanuel Benedito de Arruda – Presidente 

VEREADORES 

Alibel Ferreira da Silva 

Armando de Oliveira Campos 

Arantes Rodrigues de Arruda 

Emanuel Benedito de Arruda “Caboclo” 

Jorge Witczak 

Neuza Ribeiro Monteiro da Silva 

Natalino Garcia 

Roberto Santana do Espírito Santo 

Wises Catarino da Silva 

Zeno de Oliveira

 

9ª LEGISLATURA- 1977/1982

 

Ver. Wises Catarino da Silva – Presidente 

Ver. Natalino Garcia – Presidente 

Ver. Sebastião “Fio” José da Costa – Presidente

 

VEREADORES 

Antônio Pompeo de Campos “Nhoca” 

Antônio de Arruda Gomes “Totó” 

Benedito Laurindo de Souza “Dito Souza” 

Benedito Marques de Assunção 

Clóvis Gonçalves de Campos 

José Nicolau do Prado – Jucão 

Joé Moacir Witczak 

Mário Sales Rodrigues 

Natalino Garcia 

Sebastião Benedito de Almeida “Neguinho” 

Sebastião “Fio” José da Costa 

Wises Catarino da Silva 

Zanite Nassarden

 

10ª LEGISLATURA – 1983/1989

 

Ver. Clóvis Gonçalves de Campos – Presidente 

Ver. Afonso Monteiro da Silva – Presidente 

Ver. Gonçalo José Correia – Presidente 

VEREADORES 

Afonso Monteiro da Silva 

Antenor Nunes de Carvalho 

Altair Pedroso da Silva “Táta” 

Benedito Laurindo de Souza “Dito Souza” 

Benedito Pinto da Silva “Dito Pinto”

Clóvis Gonçalves de Campos 

Edílson Baracat 

Gonçalo José Correia 

João Batista de Siqueira 

João Simão de Arruda 

Manoel Pinheiro de Oliveira 

Manoel Gonçalo “Micoco” de Almeida 

Matilde Curvo de Morais 

Natanael Mayer 

Sebastião “Fio” José da Costa

 

11ª LEGISLATURA – 1989/1992 

 

Ver. Benedito Pinto da Silva – Presidente 

Ver. Sebastião Norberto “Batico” de Barros – Presidente 

VEREADORES 

Afonso Monteiro da Silva 

Agrícola Pompeo de Campos 

Antônio Carlos “Carlão” dos Santos 

Antônio Bonini 

Antônio Gomes Filho “Totinha” 

Benedito Pinto da Silva 

Benedito Laurindo de Souza “Dito Souza” 

Ernandy Maurício Baracat de Arruda – Nico Baracat 

Gonçalo José Correia 

João Simão de Arruda 

José Guilherme dos Santos “Zé Alagoano” 

João Batista Vieira e Silva 

Manoel Gonçalo “Micoco” de Almeida 

Natanael Mayer 

Luiz Santana de Figueiredo 

Sebastião José “Fio” da Costa 

Sebastião Norberto “Batico” de Barros 

Zilda Pereira Leite de Campos

 

12ª LEGISLATURA – 1992/1996

 

Ver. Antônio Carlos “Carlão” dos Santos – Presidente 

VEREADORES 

Afonso Monteiro da Silva 

Agrícola Pompeo de Campos 

Antônio Carlos “Carlão” dos Santos 

Antônio Cardoso de Andrade Neto 

Antônio Gomes Filho “Totinha” 

Benedito Laurindo de Souza 

Benedito Rosário Alves da Cunha “Benê” 

Domingos de Pinho (suplente) 

Edil Moreira da Costa 

Ênio Luiz Caldart 

Eldo Ferreira Batista (suplente) 

Ismael Alves da Silva 

João Simão de Arruda 

José Manoel Guedes 

Luiz Santana de Figueiredo 

Mateus Magalhães 

Manoel Gonçalo “Micoco” de Almeida 

Rui Ramos (suplente) 

Sebastião José “Fio” da Costa 

Sebastião Norberto “Batico” de Barros 

 

13º LEGISLATURA – 1997/2000 

Ver. Sebastião José Fio da Costa 

Ver. Walace Guimarães 

 

14º LEGISLATURA – 2001/2004 

Gonçalo Domingos de Campos Neto 

Ver. Manoel Gonçalo Micoco de Almeida

 

15º LEGISLATURA – 2005/2008 

Ver. Gonçalo Ferreira de Almeida 

Ver. Edil Moreira da Costa 

16º LEGISLATURA – 2009/2012 

Ver. Wanderley Cerqueira - Presidente

Ver.Jânio Calistro Lemes do Nascimento - Presidente

 Prefeitos 

Desde sua emancipação no dia 23 de setembro de 1948, teve 18 prefeitos, que de uma forma ou de outra, contribuíram para fazer do município o pólo industrial que é hoje, servindo de modelo para outras cidades do Estado e do País. 

Foram prefeitos de Várzea Grande, durante esses 57 anos de história: Gonçalo Romão de Figueiredo (23.09.1948 a 26.07.1949), Miguel Leite da Costa (27.07.1949 a 31.10.1949), Benedito Gomes da Silva (31.10.1949 a 05.11.1949), Gonçalo Botelho de Campos (06.11.1949 a 01.01.1951), Estevam Ferreira da Cunha (02.01.1951 a 17.03.1951), Júlio Domingos de Campos (18.03.1951 a 26.07.1953), Licínio Monteiro da Silva (27.07.1953 a 27.07.1957), Napoleão José da Costa (29.07.1961 a 26.07.1965), Gabriel de Matos Muller (27.07.1965 a 20.09.1966), José Leite de Moraes (21.09.1966 a 31.01.1967), Sarita Baracat de Arruda (01.02.1967 a 31.01.1970), Ary Leite de Campos (01.02.1970 a 31.01.1973), Júlio José de Campos (01.02.1973 a 31.01.1977), Gonçalo Pedroso Branco de Barros (01.02.1977 a 31.01.1983), Jayme Veríssimo de Campos (01.02.1983 a 31.12.1988), Carlos Augusto de Arruda Gomes (01.01.1989 a 31.12.1992), Nereu Botelho de Campos (01.01.1993 a 31.12.1996), Jayme Veríssimo de Campos (01.01.1997 a 31.12.2000), Jayme Veríssimo de Campos (01.01.2001 a 31.12.2004) e Murilo Domingos (01.01.2005).